Dois sonetos traduzidos de Irene Chiari

Alckmar Luiz dos Santos

Dados da edição:

Mafuá, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, n. 30, 2018. ISSNe: 1806-2555.

Como citar este texto?

O CÍRCULO VÍCIOSO

Bailando no ar, gemia inquieto vaga-lume:
— “Quem me dera que fosse aquela loura estrela,
Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

— “Pudesse eu copiar o transparente lume,
Que, da grega coluna à gótica janela,
Contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela!”
Mas a lua, fitando o sol, com azedume:

— “Mísera! tivesse eu aquela enorme, àquela
Claridade imortal, que toda a luz resume!”
Mas o sol, inclinando a rútila capela:

— “Pesa-me esta brilhante auréola de nume…
Enfara-me esta azul e desmedida umbela…
Por que não nasci eu um simples vaga-lume?”

IL CIRCOLO VIZIOSO

Danzando nell’aria, una lucciola, con agrume:
“Magari che fossi quella dorata stella,
Che arde in eterno blu — un eterna candela!”
Disse la stella, alla luna, con lividume:

-“Potessi io copiare il trasparente lume,
Che da greco palo a gotica finestrella,
Contemplò, sognante, la fronte amata e bella!”
La luna, fissando il sole, con acidume:

-“Misera! Se avessi io quell’enorme, quella
Chiarezza immortale, che la luce riassume!”
Il sole, inclinando la rotonda cappella:

-“Mi pesa questa brillante aureola di nume…
Mi annoia esta blu e illimitata coppella,
Perchè non sono lucciola, senza vanume?”

 


 

SONETO DE NATAL

Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto… A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca.
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
“Mudaria o Natal ou mudei eu?”

SONETTO DI NATALE

Un uomo,- ed era quella notte amica,
La cristiana, culla del Nazareno,
Al rimembrare i giorni del sereno,
E la viva danza, e l’agil cantica

Volle portar al verso dolce, ameno
sensazioni della sua età antica,
In quella stessa vecchia notte amica,
La cristiana, culla del Nazareno.

Decise l’ sonetto…carta bianca
chiede ispirazione, ma fiacca e cianca,
La piuma non si accorda al suo gesto.

Invano lottando contro l’ metro avverso,
Solo uscì questo piccolo verso:
“Muterei esto Natale o me del resto?”