Apresentação e editorial

Mafuá

Dados da edição:

Mafuá, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, n. 2, 2004. ISSNe: 1806-2555.

Como citar este texto?

Caro leitor,

O número 2 de Mafuá evidencia de antemão uma superação das etapas iniciais de uma empreitada como esta, que inclusive fizeram parte das preocupações dos dois primeiros números, concernentes, acima de tudo, à consolidação de nossa idéia como um espaço real (embora muitos possam pensar que o computador não passa de um espaço virtual) para a produção crítica e científica acerca da literatura – voltada, como já é sabido, a estudantes em fase de graduação.

A edição que aqui se apresenta, a exemplo do número anterior, está marcada também pelo ecletismo dos temas, que não saem de Platão para chegar em Derrida, mas que dão conta de olhar um objeto artístico com suporte teórico necessário.

Para os apreciadores da Literatura Brasileira, reservamos um texto que procura relacionar estratégias de composição poética que ora aproximam ora distanciam dois poetas – Guilherme de Almeida e João Cabral de Mello Neto. Estão reservadas também, ainda em literatura vernácula, duas perspicazes leituras acerca de obras dos contemporâneos Artur Azevedo e Laurindo Rabelo, que penetram, no caso do primeiro, o teatro, a partir da peça A Capital Federal, e no segundo a poesia através de uma verificação estilística. O fantástico, em Victor Giudice fecha a modesta gama de textos críticos (desta), que nos levarão a pensar a produção artístico-literária brasileira.

Já os que preferem refletir a literatura estrangeira, ou universal, poderão encontrar neste número um texto que procura, dentre outras coisas, relacionar a produção do irlandês James Joyce com a do mineiro Guimarães Rosa. Ainda terão uma leitura pertinente ao romance O Nome da Rosa, do integrado pensador Umberto Eco.

Por fim, em Foto e fato: uma leitura da fatalidade, o leitor poderá percorrer os caminhos menos conservadores da análise estético-literária, através de um texto que procura estender como pano de fundo desta análise uma visão filosófica, permeada, acima de tudo, por Nietzsche.

Atenciosamente,
Os Editores.

 


 

COMISSÃO

Aírton Sampaio Araújo (Universidade Federal do Piauí)
Alamir Aquino Correa (Universidade Estadual de Londrina)
Alckmar Luiz dos Santos (Universidade Federal de Santa Catarina)
Armelle Le Bars (Universidade Paris 3)
Carlos Maciel (Universidade de Nantes)
Jaime Ginzburg (Universidade de São Paulo)
João Ernesto Weber (Universidade Federal de Santa Catarina)
José Luís Jobim (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)
Lucila Nogueira (Universidade Federal de Pernambuco)
Luís André Nepomuceno (Centro Universitário de Patos de Minas)
Luis Filipe Ribeiro (Universidade Federal Fluminense)
Marcos Antônio Siscar (Universidade Estadual Paulista – S. J. Rio Preto)
Saulo Cunha de Serpa Brandão (Universidade Federal do Piauí)
Suzi Frankl Sperber (Universidade Estadual de Campinas)
Tânia Regina Oliveira Ramos (Universidade Federal de Santa Catarina)
Wander Nunes Frota (Universidade Federal do Piauí)

CONSELHO

Deise Joelen Tarouco de Freitas – SC-00511 JP
Alckmar Luiz dos Santos
Cristiano de Sales
Saulo Cunha de Serpa Brandão
Victor da Rosa